PREFEITURA NÃO CUMPRE LIMINAR E PODE TER CONTAS BLOQUEADAS

antoniel no ver o fato

Venceu na última sexta-feira o prazo concedido pela Justiça Federal para que a Prefeitura de Igarapé-Miri efetuasse o pagamento dos valores atrasados das dívidas de consignados dos servidores públicos perante a Caixa Econômica Federal.

O Município não cumpriu a decisão e resolveu recorrer para o Tribunal Regional Federal da 1a Região.

A Juíza Hind Kaiath estipulou multa de 5 mil reais por dia em caso de descumprimento, e até multa pessoal ao prefeito Antoniel Miranda, como o GM destacou em matéria do dia 04 de julho:

https://gazetamiriense.wordpress.com/2018/07/04/bronca-federal-antoniel-sumiu-com-mais-de-1-milhao-de-emprestimos-consignados/

O furo dessa matéria do GM foi destaque no blog VER-O FATO e também no Portal G1:

http://www.ver-o-fato.com.br/2018/07/cade-o-repasse-do-emprestimo-consignado.html

https://g1.globo.com/pa/para/noticia/2018/07/18/justica-federal-obriga-prefeitura-de-igarape-miri-no-para-a-pagar-mais-de-r1-mi-de-consignados-atrasados.ghtml

Após a divulgação dessa bronca federal, o Irmão do Açaí divulgou um vídeo dizendo que tudo era fofoca e mostrava papéis que provariam que a Prefeitura nada devia para a Caixa Econômica Federal.

Se fosse assim, seria fácil ele conseguir demitir o gerente da Caixa. Mas…

Até agora nada desses papéis aparecerem. O Município não pagou e recorreu para o TRF1 alegando que a Prefeitura pode ter prejuízos se pagar a conta e que a liminar não poderá mais ser revertida e tal. Muito blá….mas documento ZERO. Vejam aí o inteiro teor do Recurso de Agravo da Prefeitura, para depois não falarem que é fofoca:

AGRAVO MIRI X CAIXA CASO CONSIGNADOS

O caso no TRF1 está nas mãos do Desembargador Federal Daniel Paes Ribeiro.

distribuiçao agravo miri x caixa-001

Se a Prefeitura não conseguir reverter a decisão, terá que pagar a dívida atrasada e mais as multas de 5 mil por dia. E a juíza pode também impor multa pessoal ao Prefeito “que não mente” e mandar apurar ocorrência de crime de desobediência de ordem judicial.

Enquanto isso, fonte do GM informa que o SINTEPP vai colher informações de seus sindicalizados que estão com o nome sujo por falta de repasses dos consignados e requisitou os serviços do Dr. João Eudes Neri para atuar em favor dos servidores públicos.

E para não perder tempo, o referido advogado protocolou pedido de cópia desses pagamentos que o Prefeito Irmão diz ter feito para a Caixa Econômica e também de processos licitatórios que seriam “duvidosos” e envolveriam recursos do FUNDEB. A requisição foi recebida no dia 09 de julho.

A Prefeitura até agora não atendeu o pedido, dez dia depois. Vamos esperar que forneça os documentos e ajude a esclarecer a verdade, sem necessidade de mais ações judiciais, pois tudo que se faz com esse dinheiro é público e deveria estar disponível no portal da transparência do Município:

PEDIDO EUDES NERI COPIAS PAGAMENTOS E LICITAÇOES PREFEITURA MIRIENSE

 

Anúncios

CONTAS DA PREFEITURA TEM BLOQUEIOS SEGUIDOS NA GESTÃO ANTONIEL

conta fpm
Por Inadimplência (falta de recolhimento) de INSS, a Receita Federal fez retenções de mais de R$ 1 milhão das contas do Município na gestão Antoniel Miranda.
E esses débitos​ perante ao INSS , geram bloqueios no FPM ( fundo de participação dos municípios) de Igarapé – Miri. A última ocorreu hoje. O valor bloqueado foi de R$ 297.021,23.
As contas da Gestão do Irmão do Açaí vem sofrendo bloqueios constantes da Receita Federal, pelo não cumprimento das suas obrigações patronais junto a Previdência Social.
Além de causar o bloqueio,o atraso ainda impõe multa.
O saldo líquido disponível na conta do FPM de Hoje 10/07/2018, ficou em R$ 0,00.
fpm zerado
Ontem 09/07/2018 foi creditado 1% extra do FPM um montante de R$ 1.011.363,36 que é referente ao valor da arrecadação do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) e do Imposto de Renda (IR) contabilizada entre o início de julho do ano passado até o final de junho deste ano.
Esse dinheiro geralmente é utilizado para ajudar na antecipação do décimo terceiro dos servidores.
Os seguidos bloqueios chamam a atenção também pelo fato de ter ocorrido parcelamento dos débitos com o INSS no ano de 2017.
Essas dívidas milionárias tendem a explodir em algum momento da gestão e podem ser fruto também de fraude previdenciária.
O servidor só vai saber do problema se o INSS recusar a aposentadoria ou a concessão de algum benefício.
As dívidas com a previdência também geram restrição no sistema CAUC do Governo Federal, impedindo a celebração de convênios, como esse da Praça Açaí, que foi firmado na primeira gestão Pina e o dinheiro foi reservado na Caixa Econômica.

JUIZ NEGA SUSPEIÇÃO E PARA AÇÕES CONTRA PESADO E ANTONIEL

juramento posse pesado e antoniel

O Prefeito Cassado Toninho Peso Pesado ajuizou ações de suspeição contra o Juiz Lauro Alexandrino, com suspeitas de parcialidade.

O juiz negou que seja parcial, conforme parte final no despacho abaixo:

PROCESSO N° 52-52.2018.6.14.0006 – EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO (INCIDENTAL AO PROCESSO Nº 0000215-03.2016.6.14.0006 – AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO JUDICIAL ELEITORAL)
Excipiente: Ronélio Antônio Rodrigues Quaresma.
Advogados: Leandro Araújo Filho – OAB/PA 13682, Renata Lima Franco – OAB/PA 20773 e Taciel Rodrigues Monteiro – OAB/PA 21042.
Excepto: Lauro Alexandrino Santos, Juiz Titular da 6ª Zona Eleitoral do Estado do Pará.

RESPOSTA À ALEGAÇÃO DE SUSPEIÇÃO

….. …. 56 – Assim é que se requer e se espera o recebimento e conhecimento das presentes razões, apresentadas na escusável prorrogação permitida pelo art. 227 do CPC.

57 – Excelentíssimo(a) Senhor(a) Relator(a), Excelências, imparcialmente atuei e permanecerei atuando, pois nem mesmo em meu âmago vejo a mais mínima razão que sustente suspeição de parcialidade em desfavor deste magistrado.

58 – No lavor judicante, busco seguir o conselho de Rui Barbosa em seu discurso “paranymphando” a turma de bacharéis de 1920 da Faculdade de Direito de São Paulo: “Não imiteis os que, em se lhes oferecendo o mais leve pretexto, a si mesmos põe suspeições rebuscadas para esquivar responsabilidades, que seria do seu dever arrostar sem quebra de ânimo ou de confiança no prestígio dos seus cargos” (Oração aos Moços, Coleção a Obra Prima de Cada Autor, Martin Claret, São Paulo, 2003, p. 53).

59 – Eis, portanto, os termos e as razões fático-jurídicas que apresento como resposta e que submeto ao douto julgamento do egrégio Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Pará, com o devido respeito, pugnando, preliminarmente, pelo reconhecimento da intempestividade da alegação e/ou de sua ilegitimidade, e, no mérito, pela improcedência da alegação de suspeição.

60 – Determino a remessa do incidente ao tribunal.

Igarapé-Miri, PA, 09 de julho de 2018.

Lauro Alexandrino Santos
Juiz 6ª Zona Eleitoral/ PA

Mas de outro lado, parou TODOS os processos judiciais que podem implicar na cassação da chapa PESADO/ANTONIEL. Como esses processos já se arrastam faz muito tempo por lá e parece que sem muita pressa da Justiça, o caso agora vai para análise do TRE, sem se saber quando voltarão para análise.

Não se sabe se o Juiz também vai parar de analisar também as ações de improbidade que tramitam contra Pesado na Comarca da Terra do Açaí.

Vejam a decisão:

Autora: Coligação Majoritária Fé e Renovação (PT, SD, PHS, PDT).
Réus: Ronélio Antônio Rodrigues Quaresma.
Réu: Antoniel Miranda Santos.
Ré: Suely Socorro Pantoja da Silva Comércio e Serviços de Organização de Eventos – EPP – Empire Comunicação e Eventos.
DECISÃO

1 – Ronélio Antonio Rodrigues Quaresma protocolizou no dia 25/05/2018 exceção de suspeição com fundamento no art. 146 c/c art. 145, IV, todos do Código de Processo Civil, tendo sido determinada sua autuação em apartado (Processo nº 52-52.2018.6.14.0006).
2 – Nos termos do art. 313, III, do CPC/2015, suspende-se o processo pela arguição de impedimento ou de suspeição.
3 – O Superior Tribunal de Justiça já decidiu que, com o oferecimento da exceção de suspeição, a suspensão do processo e consequentemente dos prazos é automática, até que a exceção “seja definitivamente julgada” (AgRg nos EDcl no RMS 33.597/GO, Rel. Ministro Sidnei Beneti, Terceira Turma, julgado em 17/04/2012, DJe 03/05/2012).
4 – Ante o exposto, declaro a suspensão do presente processo.
5 – Atente-se para o disposto nos arts. 314 e 146, § 3º, do CPC/2015 (“Durante a suspensão é vedado praticar qualquer ato processual, podendo o juiz, todavia, determinar a realização de atos urgentes a fim de evitar dano irreparável, salvo no caso de arguição de impedimento e de suspeição.”; “Enquanto não for declarado o efeito em que é recebido o incidente ou quando este for recebido com efeito suspensivo, a tutela de urgência será requerida ao substituto legal.”).
6 – Aguarde-se em cartório as deliberações e decisões do Tribunal Regional Eleitoral do Pará.
7 – Na hipótese de recebimento do incidente sem efeito suspensivo, certifique-se.
8 – Publique-se. Registre-se. Intimem-se.
9 – Expedientes necessários.
Igarapé-Miri, PA, 10 de julho de 2018.

Lauro Alexandrino Santos
Juiz Eleitoral da 6ª Zona/PA

QUEM MENTE: O PREFEITO OU O GERENTE ?

pinoquio

A matéria do GM sobre uma ação judicial da Caixa Econômica Federal contra o Município de Igarapé-Miri sobre atraso no repasse de valores de consignados deu o que falar.

O Prefeito Irmão do Açaí de imediato veio para redes sociais com um vídeo, mostrando documentos que demostrariam que nada deve e nada teme, concluindo que “é tudo fofoca”.

Só não disse se a fofoca foi inventada pelo gerente da Caixa, pela juíza federal que concedeu a liminar ou pelo GM.

O blog só fez informar o que está no site da Justiça Federal. Aqui “.. se mata a cobra se mostra…a cobra morta…”, sempre que possível.

Mas se o Prefeito Irmão diz que tá tudo pago, se pode concluir que o Gerente da Caixa foi que mentiu.

Essa mentira pode custar o cargo do Gerente, pois seria inadmissível querer cobrar uma conta que não existe e fazer a Justiça Federal acreditar nisso, a tal ponto de uma juíza conceder uma liminar com ordem de aplicação de multa diária ao prefeito se não pagar e se voltar a atrasar.

E quem mentiu ? O prefeito ou gerente ?

Ontem mesmo o Município foi intimado da decisão da Juíza Federal, tem 5 dias para cumprir ou se explicar.

O Gerente da Caixa, antes de pedir para a Justiça a ação de cobrança, teve o cuidado de notificar a prefeitura sobre os débitos, que em Abril já seriam superiores a 1,6 milhão de reais. Vejam o documento:

NOTIFICACAO-EXTRAJUDICIAL-CAIXA-X-PMIG-002

NOTIFICACAO-EXTRAJUDICIAL-CAIXA-X-PMIG-003

Nessa bronca vai sobrar pra alguém.

Se o gerente mentiu, pode até perder o emprego.

Mas se foi o prefeito ?

BRONCA FEDERAL: ANTONIEL SUMIU COM MAIS DE 1 MILHÃO DE EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS

O GM destaca com exclusividade mais uma bronca que pode render muitos problemas para o Prefeito Irmão do Açaí.

Ele foi acusado pela Caixa Econômica de dar o CALOTE em dois meses de repasses dos valores de consignados.

A prefeitura deu destino incerto para mais de 1 milhão e cem mil reais que foram recolhidos dos servidores na folha de pagamento.

Onde foi parar essa grana ?

O dinheiro saiu das contas dos servidores públicos da Terra do Açaí.

Por muita coincidência, em fevereiro Peso Pesado foi cassado pela Câmara Municipal.

A Justiça Federal do Pará atendeu pedido da Caixa Econômica Federal em decisão que você vê abaixo:

PROCESSO: 1001145-19.2018.4.01.3900

CLASSE: PROCEDIMENTO COMUM (7)
AUTOR: CAIXA ECONOMICA FEDERAL  – RÉU: MUNICIPIO DE IGARAPE-MIRI

DECISÃO

Trata-se de pedido de tutela de urgência formulado no bojo da ação sob o rito do procedimento comum objetivando provimento judicial que lhe assegure o cumprimento da cláusula segunda do contrato firmado entre a instituição financeira e o Município de Igarapé-Miri, procedendo o repasse dos valores descontados das folhas de pagamento dos servidores no montante de R$ 1.121.209,35 (um milhão, cento e vinte e um mil, duzentos e nova reais e trinta e cinco centavos), relativos aos meses de fevereiro de março de 2018, valores esses que apesar de descontados dos contra-cheques dos servidores, não foram transferidos pelo órgão convenente, bem como observe a obrigação de transferir os montantes correspondentes às parcelas vincendas até o dia 05 de cada mês, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).

Narra a inicial que o Município demandado firmou convênio com a empresa pública federal visando viabilizar a concessão de empréstimos sob garantia de consignação em folha de pagamento aos servidores públicos municipais. Ocorre que, não obstante tenha efetuado a averbação e retenção dos valores das prestações referentes aos meses de fevereiro e março de 2018, deixou o Réu de efetuar os repasse dessas importâncias à instituição financeira, não obstante ter sido regularmente notificado a cumprir as cláusulas da avença.

Relatado o essencial, decido.

 A tutela provisória de urgência, cautelar ou antecipada, pode ser concedida, nos termos do artigo 300 do Novo Código de Processo Civil, desde que a inicial esteja instruída com elementos que evidenciem a probabilidade do direito e esteja demonstrado o perigo de dano ou o risco de ineficácia do processo.

Pois bem, no caso, o convênio firmado entre as partes, impõe à convenente as seguintes obrigações:

“CLÁUSULA SEGUNDA – OBRIGAÇÕES DA CONVENENTE

… d) averbar em folha de pagamento o valor das prestações dos empréstimos concedidos, em favor da CAIXA;

e) repassar à CAIXA, até o 5º. (quinto) dia útil contado da data do crédito do salário dos servidores, o total dos valores averbados e quando ultrapassar este prazo, repassar com os encargos devidos”.

Na hipótese dos autos, pelo menos em juízo de cognição sumária, constata-se a omissão do Município em repassar os valores averbados dos servidores públicos municipais à instituição financeira mutuante, demonstrando clara infração as cláusulas do convênio de consignação.

Dito isto, entendo que os elementos presentes nos autos permitem concluir pela verossimilhança das alegações apresentadas pela autora, aliada a urgência na satisfação do direito, ante o risco de dano irreparável ou de difícil reparação.

Ante o exposto, defiro o pedido de liminar. Intime-se por Carta Precatória o Município demandado, na pessoa do Exmo Sr. Prefeito Municipal, a regularizar os repasses das prestações vencidas dos meses de fevereiro e março de 2018, no montante de R$ 1.121.209,35 (um milhão, cento e vinte e um mil, duzentos e nove reais e trinta e cinco centavos), bem como das prestações vincendas até o dia 5 de cada mês, no prazo máximo de 05 (cinco) dias, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil) reais, sem prejuízo da multa pessoal ao gestor municipal nos termos do artigo 77, inciso IV do CPC, no percentual de 10% (dez por cento) sobre o valor da causa, por caracterizar ato atentatório à dignidade da justiça. Decorrido o prazo acima assinalado e não atendida a deliberação judicial, voltem conclusos para exame do pedido sucessivo. 

Cite-se.  P.R.I –  Belém, 09 de abril de 2018.     

 Hind Ghassan Kayath – Juíza Federal da 2a. Vara    

Se a CAIXA não receber esse dinheiro, milhares de servidores municipais podem ficar com o nome sujo. E ficam também impedidos de renovarem consignados.

Parece que Antoniel começou a mostrar a que veio…

Será que trocaram 6 por meia dúzia ?

Em pedido para a Justiça Federal, a CAIXA diz que comunicou ao Ministério Público Federal o sumiço do dinheiro, pois se constitui em crime e ato de improbidade.

PEDIDO CAIXA ACAO CONSIGNADOS

NOTICIA CRIME CAIXA X ANTONIEL

E pode render novo processo de cassação, desta vez do Irmão do Açaí.

Será ????

Fica o alerta ao SINTEPP e demais sindicatos, aos Conselhos, para a Liga da Justiça, Câmara Municipal e Ministério Público.

O caso é gravíssimo e merece apuração rigorosa.

Vejam a cópia da ação da Caixa Econômica Federal

CAIXA X IG MIRI CONSIGNADOS

E consta que até agora a decisão da Juíza Federal não foi cumprida. E caso Peso Pesado volte ao cargo terá que dar o jeito de arrumar esse dinheiro e cumprir de imediato com o recolhimento dos valores.

E no final deste mês o Prefeito Antoniel demitiu TODOS os funcionários TEMPORÁRIOS alegando falta de dinheiro. Esses vão passar o mês de julho lisos e sem saber se voltam para trabalhar em agosto.

decreto exonera temporarios 2018

Mas faz um Festival da Camarão gastando 350 mil… Dá pra entender ?

 

QUEM É O SÓCIO DO IRMÃO DO AÇAÍ ?

destaque-518626-socio-empresa-antoniel-miranda

O Diário do Pará tem noticiado nas últimas semanas uma série de denúncias contra o atual prefeito de Igarapé-Miri, Antoniel Miranda Santos, o “Irmão do Açaí“.

O apelido seria derivado de sua condição de evangélico da Assembléia de Deus e também de ser “empresário” do ramo do açaí.

Essa situação de “empresário” até hoje não foi esclarecida, pois não declarou para a Justiça Eleitoral ser proprietário ou sócio de alguma EMPRESA.

Quando foi candidato a vice de Joca Pantoja em 2015, declarou que era “empresário”, mas proprietário de apenas uma imóvel em construção na Rua 7 de setembro, no valor de R$100.000,00:

declaraçao de bens antoniel vice de joca

E nas eleições do ano seguinte (2016), como vice de Peso Pesado, declarou que tinha patrimônio de R$480.000,00, sendo 30 mil em dinheiro, uma casa avaliada em 350 mil e um terreno urbano estimado em 100 mil reais:

declaraçao de bens antoniel vice de pesado

Disse novamente que era “empresário” (???!!!)

Uma fonte do blog revelou que antes mesmo de ser candidato a prefeito, em 2015, a situação financeira de Antoniel não era muito boa, tanto que tinha restrições no SERASA, por dívidas como avalista de alguns contratos com o Banco do Brasil. E mandou esse documento:

SERASA ANTONIEL

Essa mesma fonte também afirma que Antoniel seria sócio de um senhor chamado BIBICA, usando a firma A & B (seria a abreviação dos dois nomes). E mandou esses documentos, disponíveis na receita federal:

FIRMA a & b

DONO DA FIRMA a & b

A tal empresa não está em nome de Antoniel, isso é obvio. Mas ele poderia ser sócio oculto ?

Talvez sim, talvez não. Mas chama atenção o documento sigiloso obtido pela fonte de tal dívida no SERASA, em valor alto, que seria do suposto financiamento de veículos. Dever também não é pecado, mas quando se vira político, a omissão de tais informações pode dar problemas.

Nada disso consta na declaração feita para a Justiça Eleitoral, o que já é um sinal ruim, pois poderia ser um indício de crime eleitoral (art. 350 do Código Eleitoral) no registro de candidatura.

O blog deixa espaço para manifestação do prefeito sobre essas afirmações da fonte, podendo dar os esclarecimentos, se achar necessário. E se entender que tudo isso é só fofoca também pode dar a versão que entender verdadeira.

Vejam a matéria divulgada hoje pelo Diário do Pará sobre a anulação de um pregão que seria para contratar a filha do “suposto sócio”:

PREGAO FILHA DO SOCIO ANULADO

O processo licitatório que chega a quase R$ 3 milhões, vencido pela filha de um sócio do prefeito de Igarapé-Miri, Antoniel Miranda Santos (PEN) foi anulado após denúncias de fraude de contratos milionários.

O aviso de anulação foi publicado na última quinta-feira (28), três dias após as suspeitas se tornarem públicas. Segundo o comunicado, a justificativa para anulação do pregão é “devido equívocos e vícios no termo de referência”.

A licitação 016/2018 foi para contratação de empresa especializada para prestação dos serviços de locação de veículos pesados e máquinas pesadas para a Secretaria de Obras de Igarapé-Miri.

A empresa vencedora foi a Forte Locserv Coleta de Resíduos Sólidos, de nome fantasia Anambe LocServ, criada em novembro de 2016 e de propriedade de Yeda do Socorro Nonato Machado, filha de Arcelino Viana da Costa, sócio de Antoniel Miranda.

Os contratos firmados com a Prefeitura somam R$ 2 milhões e 784 mil, aproximadamente R$ 232 mil por mês até o fim da vigência da prestação de serviços.

Acesse o edital de licitação aqui

Empresa não teria nem equipamentos necessários para prestação de serviços

Uma das concorrentes do pregão em que a Forte LocServ foi vencedora, a empresa ABR Transporte e Locação de Automóveis, recorreu do resultado, no último dia 20 de abril, questionando que a Forte não teria nem mesmo os veículos e máquinas necessários para prestar os serviços aos quais se propõe a oferecer.

Por causa da desconfiança, a empresa ABR, de propriedade de André Afonso Pinheiro, pediu que a Prefeitura de Igarapé-Miri investigasse, junto à empresa vencedora, a capacidade para cumprir com os serviços que foram exigidos na licitação.

Funcionário de Prefeito também venceu licitação milionária

O contrato firmado entre a Anambe e a Prefeitura de Igarapé-Miri é apenas mais para o rol de suspeitas de fraudes licitatórias: o DOL já denunciou, por exemplo, duas licitações vencidas pela empresa que “pertence” a um funcionário do prefeito e que somam R$ 2,8 milhões.

A polêmica envolve a empresa Manancial Serviços e Comércio de Gêneros Alimentícios, de propriedade de Odivaldo dos Santos Ferreira, criada no dia 21 de setembro de 2017, dois meses antes de Antoniel assumir a Prefeitura de Igarapé-Miri.

O DOL entrou em contato com a Prefeitura de Igarapé-Miri e com o Ministério Público e aguarda um posicionamento em relação as denúncias. 

UM FESTIVAL POR 350 MIL E UM MUTIRÃO PARA A UPA

festival da camarao 2018

Tema de debates nesta semana foi mais uma publicação do Blog Sentinela News com matéria sobre o custo elevado de nosso festival do Camarão em 2018. Vejam aí:

http://osentinelanews.blogspot.com/2018/06/irmao-do-acai-contrata-estrutura-para.html

E aí, foi superfaturado ou não foi ?

Foi direcionado para favorecer uma empresa de Abaetetuba ?

O prefeito Irmão levou uma ponta por fora ou foi algum secretário ou vereador ?

Além dessas polêmicas cabe uma simples comparação em tempos de crise.

A nossa UPA, essencial para cuidar da saúde de nossa população, mereceu apenas UM mutirão de limpeza neste ano. Se convocou o povo para limpar e fazer reparos, por falta de dinheiro público.

Talvez com menos de 350 mil fosse possível concluir essa obra tão importante… mas…

Parece que existe uma inversão de valores muito grande ou pode ser uma besteira questionar que o povo precisa estar sadio e também se divertir.

Manter nossas tradições e festivais é importante, mas nossa saúde pública também clama por medidas urgentes, que parecem ainda distantes.

Se em anos anteriores foi possível realizar festivais com menos dinheiro e até com apoio do governo do estado, qual o motivo de se investir tanto grana num evento de ano eleitoral ?

E que falta faz a atuação de nossos vereadores no debate desses temas.

No ano passado, em determinado momento, só existia um vereador de oposição: José Maria Costeira (PT).

E que deu trabalho para Peso Pesado, lutando contra 14 que ficaram calados.

Hoje, na teoria, existem 3 vereadores de oposição, mas que não atuam com a mesma habilidade. No máximo umas falas contra Antoniel nas sessões da Câmara, que ocorrem um vez por semana.

Essa comparação serve para avaliar a importância de eleger parlamentares mais confiáveis e independentes. Que não façam oposição somente quando for mais conveniente ou oportuno, mas para valorizar os votos que receberam e para cumprir a missão de fiscalizar o Executivo Municipal.

Vamos aproveitar o festival do Camarão.

Mas tomara que a UPA não fique esquecida por muito tempo…