CASO SUPLEGRAF: PROMOTOR PEDE BLOQUEIO DE MAIS DE 1,5 MILHÃO POR COMPRAS DO GOVERNO PESADO

Charge2011-ali_baba_politico-719962

O promotor LAÉRCIO GUILHERMINO DE ABREU pediu o bloqueio das contas da Empresa Editora e Distribuidora SUPLEGRAF em uma Ação Civil Pública.

O valor do contrato feito na gestão Pé de Boto e pago no governo Interino de Pesado em 2015 alcança R$1.586.224,00 (HUM MILHÃO, QUINHENTOS E OITENTA E SEIS MIL, DUZENTOS E VINTE E QUATRO REAIS).

Esse valor foi usado para compras de supostos livros didáticos que estão apodrecidos na SEMED. O caso também está sob apuração no Ministério Público Federal e também é alvo de inquérito na Polícia Federal.

O caso foi destaque no GM, como se vê na matéria abaixo:

https://gazetamiriense.wordpress.com/2016/03/04/caso-suplegraf-mp-vai-apurar-indicios-de-crimes-de-falsificacao-na-licitacao-e-desvios-de-recursos-do-fundeb/

Caberá ao juiz Lauro Alexandrino decidir se o bloqueio das contas da empresa será feito e ao final do processo dizer se a SUPLEGRAF terá que devolver ao município toda essa grana.

O prejuízo aos alunos e à educação já ocorreu. Vamos torcer que pelo menos o dinheiro volte e possa ser utilizado de fato onde deveria ser aplicado.

No documento abaixo, o Promotor de Justiça afirma que os fatos são gravíssimos e devem ser apurados, existindo fortes indícios de irregularidades com grave prejuízo ao erário, ou seja, aos cofres do Município.

Vejam cópia da manifestação do Promotor:

PARECER MP SUPLEGRAF 01

PARECER MP SUPLEGRAF 02

PARECER MP SUPLEGRAF 03

Anúncios