O PODER FASCINA

iguaiszinhos

“O PODER FASCINA”.

            Quando falamos de política falamos da ciência de gerir a coisa pública, mas falamos também, dos acordos e conluios que são praticados nas alcovas e por debaixo dos lençóis em câmaras secretas de um poder. É típico dos políticos em primeiro lugar, buscar a perpetuidade no comando através da revitalização de suas entidades ou partidos políticos. A luta nunca foi, é, ou será, em beneficio da população, o que se busca sempre é o poder.

Ouvi certa vez, do falecido Deputado Alcides Corrêa uma frase que me chamou a atenção, “O poder fascina!”. Esta talvez seja a verdadeira explicação para tanta luta, conluios e maracutaias, que as organizações partidárias e seus membros fazem para se manter em evidência e em consequência no poder, e para isso, usam de tudo, se necessário, vendem a própria alma ao Diabo.

O que vemos acontecendo no cenário político nacional não é outra coisa do que a luta pela continuação no poder. Vê-se uma enorme batalha discursiva entre a oposição e o atual governo, do mesmo modo que víamos na oposição (hoje situação) e o governo anterior. Todos os discursos se dirigem na defesa dos interesses nacionais, porém, o que vemos são duelos entre as facções partidárias, para atrapalhar o pensamento e às ações dos seus adversários.

A situação recente entre o STF e o Senado Federal, foi algo que até agora não deu para entender de forma completa, já que o STF através de liminar afastou o presidente do SF, mas o presidente se negou a assinar a notificação judicial, em contrapartida mesmo sendo desrespeitado o STF, aplicou somente em parte o devida punição presidente do SF quando lhe nega a sucessão presidencial, mas o mantém no cargo do Senado Federal, para que exerça suas funções de forma normal e natural.

Logo em seguida o presidente do Senado em entrevista à imprensa diz que a sua manutenção no cargo é uma ordem judicial e ordem judicial do STF não é para ser discutida, mas para ser cumprida. Entretanto, ele há menos de quarenta e oito horas havia se negado a cumprir uma ordem judicial do STF. Perguntamos aqui: há coerência em uma afirmação dessa proferida pelo presidente do SF? Segundo boatos que circulam no meio político e na imprensa nacional, houve a intervenção do Palácio do Planalto para que o presidente do SF não fosse punido com o afastamento, pois isso prejudicaria a votação dos projetos do governo.

Vemos mais uma vez aí os conluios e acordos de bastidores, sendo realizados sem a menor cerimônia e que trás veracidade a frase do Deputado Alcides Corrêa, realmente “O poder fascina!” Tudo pode ser usado como arma para a manutenção do poder. Em nosso parco entendimento, vemos que a forma de politicagem usada para a condução do domínio de poder, não tem nem um vínculo com a necessidade do povo, mas sim, com a necessidade das organizações partidárias e os interesses pessoais dos políticos.

Nós (o povo) não nos iludamos que as reformas propostas têm algo a ver com a seguridade social, ela tem muito a ver é com a seguridade política partidária, que em hipótese alguma vê a necessidade daquele que sustenta o sistema, mas com a necessidade dos que são sustentados pelo sistema e isso, influi em qualidade de vida do povo que é o verdadeiro atingido, aquele que paga a conta, ou seja, o que paga o pato.

A PEC 55 e a reforma da Previdência, em momento algum irá tirar o país dessa situação que vivemos, deverá trazer um alivio em médio e longo prazo, o que realmente poderia ajudar a diminuir o déficit que apresenta a dívida pública, seria a redução dos salários dos políticos, juristas e executivo, além da diminuição dos gastos públicos e da baixa dos juros bancários, que sugam toda a produção nacional. Todos os políticos falam sobre os juros absurdos do Cartão de Crédito, mas ainda não propuseram nada concreto a respeito.

As medidas previstas têm como objetivo revitalizar a economia e a previdência, entretanto, nada é feito no sentido de que as empresas sejam desobrigadas, essas mesmas empresas, estão sobrecarregadas de impostos, impossibilitadas para que possam contratar e promover o crescimento econômico como um todo, se não houver emprego, não haverá contribuição para a Previdência. Penso que andamos na contra mão do processo, ao contrario o governo aumenta os impostos onera as empresas e elas demitem funcionários, funcionário desempregado (e hoje no Brasil beira a 14 milhões) se transforma em falta de contribuição previdenciária e impostos.

Não interessa o problema causado, o que interessa é a manutenção do poder. Todos os problemas que hoje vivemos e passamos, é decorrência da luta pelo poder. Os políticos nunca buscaram resolver o problema da sociedade, buscam sim resolver os problemas de suas organizações e os seus interesses pessoais pelo poder. Querem um exemplo? O governo Temer. Antes era aliado do antigo governo e, na primeira oportunidade surgida, se tornou adversário e empurrou o PT para fora do poder. Essa é a verdadeira luta politica “O poder fascina!”.

J. Santiago.

 

 

 

Anúncios