ZENALDO OU EDMILSON ? O QUE PODE MUDAR PARA 2018 ?

Primeira pesquisa DOXA do segundo turno em Belém, aponta disputa acirrada entre Zenaldo Coutinho (PSDB) e Edmilson Rodrigues (PSOL). Por Diógenes Brandão, com informações exclusivas da DOXA Pesquisas Se a eleição do segundo turno fosse hoje, Zenaldo Coutinho (PSDB) ficaria com 51,5% dos votos válidos, contra 48,5% de Edmilson Rodrigues (PSOL). Considerando a margem de erro de 3,5 pontos percentuais,…

via DOXA revela empate técnico entre Edmilson e Zenaldo em Belém — AS FALAS DA PÓLIS

As eleições no Pará ainda não terminaram e agora todas as fichas dos políticos se envolveram na disputa na capital do estado, o maior colégio eleitoral e o mais cobiçado.

A disputa acirrada entre o prefeito atual e o ex-prefeito coloca muitas dúvidas para os grupos políticos que almejam chegar ao governo estadual em 2018.

Se Zenaldo ganhar poderá ser uma ameaça aos planos de Helder Barbalho (PMDB), que hoje é o favorito para enfrentar o candidato de Jatene, que tudo indica que seja Flexa Ribeiro (PSDB).

Se Edmilson voltar para a prefeitura será diferente dos 8 anos em que passou como gestor da capital. Na época ele ajudou, de um jeito ou outro, com que Ana Júlia (PT) pudesse chegar ao governo Estadual. Hoje ED50 é PSOL, um partido ainda com poucos quadros de destaque para se lançar ao governo ou indicar candidato.

Daí talvez a facilidade de fazer mais alianças. No caso de Úrsula, Lélio e até Maneschy o apoio a Edmilson não vai atrapalhar os planos de ninguém e ainda poderão receber de volta o apoio hoje declarado para a “mudança”.

E Zenaldo amargou a falta de apoio de Eder Mauro, que preferiu sair pela tangente, depois de ter sido tragado pela máquina do estado que o tirou do segundo turno. Ficou sem aliados e sem tempo de TV para disputar a eleição e concluiu que o grupo de governo não lhe traria benefícios na carreira política, mesmo que recebesse o Detran em troca.

A definição dos eleitores da Capital pode ser um primeiro lance para definir alianças e favoritos em 2018.

No xadrez político paraense tá valendo mais a vontade de chegar ao Palácio dos Despachos em 2018 do que de fato melhorar a vida dos que moram na capital.

Com a crise política e financeira que atinge o país é fácil prometer, o difícil vai ser fazer todas essas obras que aparecem na propaganda da TV…

Anúncios