JUIZ NÃO PODE SER PREFEITO

juiz nao pode substituir prefeito

A música do Raul Seixas parece que serviu ao Tribunal de Justiça do Pará para bater o martelo sobre a situação política em Marabá.

Apesar de quase todas as Leis Orgânicas Municipais terem indicado a previsão de que o juiz da comarca poderia ser convocado para assumir o cargo de prefeito diante da ausência dos sucessores imediatos, não foi assim que decidiu a Justiça.

A LOM de Igarapé-Miri também prevê que juiz pode ser prefeito:

Art. 93. Em caso de impedimento do Prefeito e do Vice-Prefeito ou vacância
dos respectivos cargos, serão sucessivamente chamados ao exercício temporário
da Chefia do Poder Executivo, os membro da Mesa Diretora da Câmara
Municipal, obedecendo ao critério de hierarquia e o Juiz da Comarca lavrandose
o respectivo ato de transmissão em livro próprio.

Com o afastamento do prefeito de Marabá, João Salame, a saída eventual do vice e o presidente da Câmara se recusando a assumir em ano eleitoral, o juiz foi convocado.

No entanto questionou a validade da medida e o caso foi encaminhado ao Tribunal, que entendeu que Lei Municipal não pode obrigar juiz a assumir o cargo de prefeito.

E já dizia o saudoso Raul Seixas: “mamãe não quero ser prefeito…

Vejam os fundamentos do Justiça para negar posse ao juiz em cargo de prefeito:

Juiz não pode substituir prefeito

25/07/2016 13:15

Lei Orgânica não prevê magistrado na linha de sucessão

Em ofício assinado na última sexta-feira, 22, a propósito da substituição do prefeito de Marabá por membro do Judiciário, devido ao impedimento dos demais substitutos, o Presidente do Tribunal de Justiça do Pará, Desembargador Constantino Augusto Guerreiro, esclareceu que inexistia tal possibilidade. De acordo com a fundamentação do magistrado, o art. 58 da Lei orgânica do Município de Marabá não dispõe sobre Juiz de Direito integrar a linha sucessória de eventuais substitutos do titular da Prefeitura Municipal. “Ou seja, não há previsão no ordenamento jurídico local em deferência à possibilidade de magistrado assumir o cargo de Prefeito ante a ocorrência de impedimento do titular e dos demais substitutos legais”, complementa.
O ofício considera ainda que a resolução nº. 012/92 do TJ/PA, que possibilitava a assunção interina da Prefeitura por Juiz titular de Vara da Fazenda foi revogada pela resolução nº. 02/2000 do TJ/PA, “que vedou aos Juízes de Direito substituir o Prefeito”, e, inobstante esta última resolução ter sido revogada pela resolução nº. 02/2013 do TJ/PA, não houve previsão de regra de repristinação da primitiva resolução.
Além disso, considerou-se o entendimento do Supremo Tribunal Federal no julgamento ADI nº. 687, que assentou não competir aos Estados-membros disciplinar transversalmente a linha de sucessão do titular do cargo de Prefeito Municipal, “sob pena de indevida interferência na autonomia político-administrativo conferida constitucionalmente aos municípios”, argumenta o presidente.

De acordo com o magistrado, a definição de integrantes da linha sucessória dos titulares de Prefeitura é matéria que deve ser legislada pelo respectivo ente municipal, por meio de sua lei orgânica. “No caso da comarca de Marabá, inexiste previsão que outorgue a Juiz de Direito a ocupação eventual do cargo de Prefeito. A ausência de previsão legal impede que o Poder Judiciário se arvore em competência administrativa do município, razão pela qual a falta de representante na Prefeitura Municipal deverá ser solucionada por medida interna corporis”, conclui o ofício.

Fonte: Coordenadoria de Imprensa
Texto: João Vital
raul seixas

Anúncios