FIM DA DINASTIA BOTOANA OU CONTINUAÇÃO?

Prof. José Pinto

Será que com a vitória de Toninho Peso Pesado para a presidência da Câmara Municipal de Igarapé-Miri, finalmente se pôs fim à dinastia botoana ou ele representa a continuação de um desastroso modelo administrativo, mas que ainda se pretende permanecer no poder?

Creio que estas e outras perguntas estão sendo levantadas ultimamente, dada a atual conjuntura política em que a Capital Mundial do Açaí se encontra. É um entra e sai que parece não acabar mais. É possível até que muita gente não saiba quem é atual prefeito de Igarapé-Miri. E não é para menos: em apenas dois anos, o município amargou o desprazer de ter pelo menos cinco prefeitos, fato um tanto quanto atípico para a nossa realidade. Isso jamais aconteceu por aqui, e ainda me arrisco a dizer que em nenhum outro dos municípios do Pará já aconteceu tamanha “façanha”. Realmente é fato inédito.

Tudo começou quando Ailson Santa Maria do Amaral, o Pé de Boto assumiu o comando do município no dia 1º de janeiro de 2013 em meio a boatos de que o mesmo não terminaria seu mandado, pois estava envolvido em alguns crimes eleitorais. Para os mais aficcionados pelo prefeito, tudo não passava de “intriga da oposição”, até que no dia 16 de setembro de 2014, surpreendentemente Pé de Boto foi preso graças a uma operação conjunta da Polícia Civil do Pará e o Ministério Público do Estado (MPPA) que investiga a atuação de um grupo de extermínio na cidade. Contra o gestor de Igarapé-Miri pesam acusações de associação criminosa, denunciação caluniosa, tráfico de influência e corrupção. Entretanto, o prefeito de Igarapé-Miri foi solto logo no dia 6 de outubro. No curto período em que esteve preso, assumiu o vice-prefeito Edir Corrêa.

O que talvez Pé de Boto não esperasse é que no dia 9 do mesmo mês fosse cassado pela Justiça Eleitoral, ficando impedido de exercer seu mandato. A partir de então assumiu o cargo em vacância o presidente da Câmara Municipal, vereador Nenca. Mas para o alívio do prefeito cassado, no dia 22 ele foi reconduzido ao cargo por força de liminar em mandado de Segurança deferida pelo TSE, através do Ministro Luiz Fux. Desta feita, Pé de Boto ficaria no cargo até o julgamento dos Embargos de Declaração. Só que no dia 20 de novembro foi derrubada a tal liminar em Mandado de Segurança favorável a Pé de Boto. Sem perder tempo, no dia 27 o prefeito cassado ingressou com Recurso Especial no TRE e protocolou Ação Cautelar no TSE para obter liminar visando permanecer no cargo, mas foi negada por Fux no dia 3 de dezembro.

Enquanto isso, Nenca assumiu interinamente o Executivo pela segunda vez e fez pequenas mudanças, deixando a maioria dos cargos do jeito que Pé de Boto indicou, inclusive sua esposa como Secretária de Assistência Social. O mesmo não aconteceu na Secretaria de Educação: saiu o secretário importado e entrou um filho da terra, o Prof. Carlão. E o troca-troca não parou: logo em seguida o prefeito interino Nenca renunciou ao cargo em favor do vereador Rufino Leão para concorrer à presidência da Câmara Municipal de Igarapé-Miri, com a tentativa de permanecer como chefe do executivo até que se realize nova eleição para prefeito. A eleição para presidente da Câmara até que aconteceu, mas como havia irregularidades, foi anulada.

No último dia 1º de janeiro de 2015, foi realizada nova eleição para a presidência da Câmara Municipal e o vereador Toninho Peso Pesado levou a melhor, sendo eleito presidente daquela Casa de Lei, depois de incansáveis articulações, derrubando o atual prefeito interino Rufino Leão, candidato da situação, que tentava ganhar a eleição da Câmara e se manter no cargo de prefeito. Após a vitória de Peso Pesado, quem assumiu a presidência da Câmara foi a vereadora Carmozinha, porque Peso Pesado abdicou do cargo para assumir o comando do município e assim se tornou o quinto prefeito de Igarapé-Miri em apenas dois anos.

Em face de tanto troca-troca, a incerteza tomou conta de quem vive aqui na terra do Caminho de Canoa Pequena. Na verdade, a única certeza que temos é a vergonhosa notícia de que o município de Igarapé-Miri enfrenta hoje certamente a pior crise de sua história, com débitos milionários na Receita Federal, com fornecedores e funcionários (consignados e salários), além de diversas denúncias de corrupção, malversação do dinheiro público e má-gestão, com apurações na Câmara, MPE e MPF, sendo que algumas já tramitam na Justiça Estadual e Federal.

Por fim, o que não se sabe ainda é que, com a vitória de Peso Pesado, se chegou ao fim a dinastia botoana ou se apenas está inaugurando um novo ciclo da continuação desastrosa de um governo que só acarretou sérios prejuízos à municipalidade e ao povo sofrido de uma terra sem lei, mas mesmo assim, tem-se a pretensão de permanecer no poder.

Prof. José Pinto é educador nas redes municipal e estadual de Igarapé-Miri.

Anúncios

3 comentários sobre “FIM DA DINASTIA BOTOANA OU CONTINUAÇÃO?

  1. Sinto informar, Prof José Pinto, mas o detentor deste triste e infeliz recorde é o Município Marituba! Que, passou pelas mãos de, nada mais, nada menos que, sete Prefeitos num período mais curto ainda. De meados de Dezembro de 2012, quando Bertoldo Couto foi cassado por improbidades administrativas, a 24/04/2013, dia que Mario Filho assumiu, desfilaram pela passarela do Paço Municipal Mariuara: Francisco Souza; o Professor Poeta vice de Bertoldo, Wildson Mello; o Ver Mello, cassado por compra de voto, Ver Nilson Serrão que, assumiu por apenas três dias até que nova eleição para a presidência da câmara fosse realizada, Ver Francisco Besteiro; cassado por crime de peculato quando fora secretário de saúde na limítrofe Ananindeua e Ver Bonifácio. Ufa!!!

Os comentários estão desativados.