BANPARÁ: VAI AJUDAR IGARAPÉ-MIRI A SE DESENVOLVER ?

BANPARA IG MIRI

Depois da inauguração é que o Banpará vai mostrar quais efetivamente serão os benefícios para os Mirienses.

Durante muitos anos somente o Banco da Amazônia conseguiu manter seus serviços em funcionamento no Município. O Banco Itaú até que tentou, mas não teve vida longa.

O BASA injeta milhares de reais na agricultura, em especial na plantação e no manejo do açaí. Efetiva pagamentos de aposentados, pensionistas e é um dos preferidos dos comerciantes locais que mantém contas durante décadas na agência.

Depois vieram o Banco do Brasil e a Caixa Econômica. Esses dois bancos são de vital importância para a economia local, pois pelo BB é que passam os repasses constitucionais da União para os municípios e a Caixa é quem incentiva e paga a maioria dos programas sociais, em especial aos de baixa renda.

O Bradesco se instalou em Igarapé-Miri em local próximo à nova feira, que nunca foi inaugurada e talvez por esse fato não tenha se expandido tanto.

Todos esses bancos tem grande movimentação de clientes e centralizam serviços importantes para a população.

A vinda de mais um Banco não é fruto de parceria política, mas em especial da busca de novo mercado. Banco vive de dinheiro e não apenas de função social. Vejam o Estatuto do Banpará que mostra seus objetivos:

ESTATUTO SOCIAL DO BANPARA

No caso do Banpará quais serão esses benefícios sociais e para o desenvolvimento municipal ?

Um deles parece claro, vai facilitar a Prefeitura Miriense no recebimento de repasses do Governo do Estado. Ou seja, as contas do ICMS e Convênios que são mantidas na Agência Senador Lemos em Belém devem passar para a Agência local, bem ao lado da prefeitura.

Os servidores do estado (Fórum, Igeprev, professores do estado, etc.) vão ter mais comodidade em receber e fazer seus pagamentos ou investimentos em Igarapé-Miri, não precisando ir até Abaetetuba.

Mas será que somente isso vai manter a sobrevivência da agência bancária ?

Quais serão os investimentos a serem feitos na nossa principal vocação econômica, o açaí e seus produtores e comerciantes ?

Como não temos uma Associação Comercial forte e bem organizada fica difícil também fazer uma cobrança do empresariado Miriense por linhas de crédito específicas.

Resta desejar sorte ao Gerente e servidores e esperar que o Banpará venha para ficar e ajude a movimentar a economia da Terra do Açaí.

Anúncios