ORM NEWS: JUSTIÇA SOLTA PREFEITO ACUSADO DE FORMAR GRUPO DE EXTERMÍNIO

A notícia foi divulgada agora no portal ORM, mas em Igarapé-Miri desde cedo está sendo divulgada a volta do Prefeito Pé de Boto.

Vejam a matéria:

Justiça solta prefeito acusado de formar grupo de extermínio

Ailson Santa Maria, conhecido como ‘Pé de Boto’, é acusado de envolvimento em 13 homicídios em Igarapé-Miri

O Tribunal de Justiça do Pará revogou a prisão temporária do prefeito de Igarapé-Miri, Ailson Santa Maria do Amaral, conhecido como ‘Pé de Boto’. A decisão é do desembargador Romulo Nunes. O magistrado entendeu que após a denúncia do Ministério Público do Pará, que ligava o prefeito a um grupo de extermínio com atuação na cidade do nordeste paraense, não havia mais necessidade de prisão temporária. Ailson Amaral vai responder o processo em liberdade. 

‘Pé de Boto’ estava preso desde o último dia 16 de setembro, quando o MPE e a Polícia Civil deslancharam a operação Falso Patuá, que investigou a ligação dele com 13 homicídios registrados na cidade desde o início de 2013, quando Amaral assumiu a prefeitura. O advogado de Pé de Boto, Osvaldo Serrão, informou que o prefeito deve reassumir o cargo porque na decisão do desembargador não há menção sobre afastamento do cargo.

O promotor de justiça Nelson Medrado, responsável pela investigação, disse que o MPE vai requerer novo pedido de prisão de Pé de Boto perante a justiça estadual. ‘Para o Ministério Público este senhor é um criminoso perigoso que deveria estar preso. Vamos insistir no pedido de prisão ao novo desembargador relator do caso’, afirmou. Sobre a volta de Pé de Boto ao cargo, Medrado disse que o ‘Ministério Público está convicto que ele à frente da prefeitura vai colocar em risco a vida de testemunhas e atrapalhar o andamento do processo’. 

Relembre o caso

Além do prefeito foram presos também o secretário municipal de Obras, Ruzol Gonçalves, os dois filhos dele, Renato e Rafael Gonçalves, dois seguranças particulares do prefeito e quatro policiais militares. As investigações do MP revelaram a cobrança de valores entre R$ 2 mil e R$ 5 mil para execuções. 

O grupo de extermínio foi formado no início da administração de Amaral, quando ele prometeu ‘acabar com a bandidagem’, segundo o MPE. ‘Começaram a morrer inocentes e esse grupo também seria usado para amedrontar e ameaçar inimigos políticos e adversários’, disse Medrado em entrevista ao ORM News.

Ainda segundo as investigações, o secretário de obras, Ruzol Gonçalves, seria o intermediário entre o prefeito e o grupo de extermínio.

Ao grupo são atribuídos 13 homicídios ocorridos na cidade, mas o Ministério Público acredita que haja muito mais. ‘Morreu muito mais gente, mas só conseguimos vincular a ele esse número. Há casos em que as mortes foram ditas como resultado de brigas de gangue, que testemunhas afirmam que foram execuções. Isso a Divisão de Homicídios vai investigar para tentar chegar ao número correto’, comenta.

O MP também acusa o prefeito de ter deixado de pagar mais de R$ 800 mil à empresa que fornecia medicamentos e equipamentos médicos ao órgão público. O MPE apurou que a gasolina usada nos veículos da prefeitura era adquirida sem licitação no posto de propriedade do prefeito. Segundo a polícia, três dos quatro policiais militares presos são acusados de forjar um flagrante de tráfico de drogas a mando de ‘Pé de Boto’.

 

Anúncios

2 comentários sobre “ORM NEWS: JUSTIÇA SOLTA PREFEITO ACUSADO DE FORMAR GRUPO DE EXTERMÍNIO

  1. Vocês sabem informar se o Prefeito Pé de Boto já reassumiu a prefeitura ou se ele não vai reassumir?

Os comentários estão desativados.