OPERAÇÃO FALSO PATUÁ: MP DIZ QUE CÂMARA DEVE CASSAR PÉ DE BOTO

IMG-20140917-WA0000_editadaIMG_8484

O Ministério Público e a Polícia Civil concederam coletiva para a imprensa no dia de ontem e novas informações foram destacadas sobre a OPERAÇÃO FALSO PATUÁ.

A manifestação do Procurador Nelson Medrado (foto acima de preto, ao lado do Delegado Geral), opinando que o melhor seria a cassação de Pé de Boto pela Câmara teve repercussão no blog da jornalista Franssinete Florenzano.

Mas todos em Igarapé-Miri sabem que isso dificilmente vai acontecer. Até poucos dias atrás a maioria dos vereadores davam apoio ao Prefeito.

É certo também que não existe ainda uma definição sobre a situação de Pé de Boto, pois a prisão foi feita apenas para dar suporte às investigações do Ministério Público e da Polícia.

O prazo é de 30 dias e ele pode ser solto antes ou depois, isso ainda vai depender do que está sendo apurado em sigilo.

A população aos poucos vai tomando conhecimento dos fatos pelos noticiários e divulgação dos órgãos competentes.

Muitos já divulgavam ontem que nem seria prisão, a polícia teria ido apenas buscar as pessoas para prestar depoimento em Belém. Hoje novo boato alerdou que a liberação iria ocorrer até o fim da tarde e seria feita uma festa na cidade.

Ou seja, o que existe de certo é aquilo que está divulgado no site do MP e nos jornais. O restante ainda teremos que aguardar e conviver com os boatos.

A Câmara Municipal tem independência e se o Prefeito for denunciado no parlamento os vereadores terão que dar uma definição.

Mas será que existe disposição para levar adiante um processo de cassação ? Será que os vereadores iriam de fato investigar e julgar o prefeito ?

Vejam a matéria Blog da Franssinete Florenzano

MEDRADO PREGA A CASSAÇÃO DE PÉ DE BOTO.

A situação era muito grave em Igarapé Miri, pelo que apontam as investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do MPE-PA e dos órgãos estaduais de segurança, que deslancharam a operação “Falso Patuá”, a partir dos mandados expedidos pelos desembargadores Rômulo Nunes e Vânia Silveira, do TJE-PA: o prefeito “Pé de Boto” criou grupo de extermínio, empresas de fachada e esquema fraudulento em procedimentos licitatórios para enriquecimento pessoal. “Ele atentou contra o regime democrático de direito, contra a vida de pessoas e as liberdades individuais. Implantou um clima de terror na cidade e violou todos os princípios da administração pública”, afirma o procurador de Justiça Nelson Medrado, que entende ser a cassação imediata do prefeito a melhor alternativa para a cidade, já que os 13 vereadores que compõem a Câmara Municipal estariam ameaçados de morte. 

O Tribunal de Contas dos Municípios vai fazer uma auditoria na prefeitura. Com a análise da documentação apreendida e a oitiva de outras testemunhas, o MPE-PA pretende aprofundar a investigação.

Anúncios